Frutas típicas do cerrado brasileiro ganham espaço em São Paulo

Frutas típicas do cerrado brasileiro estão se adaptando bem ao clima na região noroeste paulista. Em Palestina (SP), o dono de um sítio decidiu preservar e cultivar variedades. Mantendo essas plantas ele pretende conservar, para as futuras gerações, um pouco da identidade do homem da roça.

mamica_de_cadela

MAMICA DE CADELA
Brosimum gaudichaudii Tréc

Gabiroba, uvaia, mamica de cadela, araticum de raposa. São frutas com nomes diferentes, poucos conhecidos na região noroeste paulista. Elas são encontradas com facilidade no cerrado brasileiro, mas também em Palestina, com um pomar cheio dessas delícias exóticas. “Antes tinha poucos pés, porque o gado pisoteia, ou então come, as pragas acabavam com os pés também, mas daí comecei a reflorestar para recuperar estas plantas”, afirma o produtor Peter Pasqueto.

Sol intenso, muito calor, clima típico das regiões de cerrado. Solo de baixa fertilidade, terra ácida, comum no noroeste paulista. Uma combinação que faz dessa área em Palestina perfeita para o cultivo de espécies nativas e exóticas. No local existem pelo menos 100 tipos de frutas. Cada árvore que a gente encontra é uma surpresa diferente.

gabiroba

GABIROBA
Campomanesia xanthocarpa Berg

A gabiroba, por exemplo, é rica em vitamina C, um poderoso adstringente, a refeição preferida das maritacas. Elas ficam por perto, só esperando uma oportunidade. Algumas árvores são cobertas com uma tela protetora, é a garantia de que vão restar algumas fruta para as pessoas comerem.

Bem diferente da uvaia, que é azeda. Usada só na produção de sucos e geléias, de tão forte, não dá nem para provar. O araticum que se parece bastante com a pinha é saboroso, mas quando bem maduro. A fruta fica vermelha, quando já é hora de colher. Já a mamica de cadela está no ponto ideal para ser degustada quando ainda é pequena e amarelinha, ela ganhou o apelido de chiclete natural. “Parece um chiclete, mas não é doce, mas tem a consistência de um chiclete”, diz a advogada Gisele Pasqueto.

Devido às propriedades medicinais, a folha da planta é usada como remédio caseiro para doenças de pele, como vitiligo. Embora seja tão importante para a ciência, assim como a maioria dessas árvores, ela pode ser cultivada por qualquer pessoa. “São plantas rústicas e não exigem muitos cuidados, apenas quando acontece alguma praga, aí é preciso intervir para combater a doença”, afirma o agrônomo Paulo Barbosa.

 

reportagem  http://www.cbnfoz.com.br/editorial/brasil/s%C3%A3o-paulo/29122013-68991-frutas-tipicas-do-cerrado-brasileiro-ganham-espaco-em-palestina-sp

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Latest

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu Virtual de Ciência e Tecnologia – Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: