Produtos do cerrado de Minas Gerais

Um projeto realizado pela Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais (Utramig), em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e o Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), está dando continuidade as iniciativas sociais que contribuem como os moradores do Cerrado em todo o estado.

cajuzinho do cerrado

cajuí

Por meio da instalação de unidades produtivas em diversos municípios na região Norte e da capacitação das comunidades locais para a exploração sustentável de espécies vegetais nativas do Cerrado, o projeto promove desenvolvimento e incremento da renda local, além de trazer impactos positivos na conservação da biodiversidade.

A última unidade produtiva foi recentemente implantada no município de São Francisco e hoje produz trufas, sorvetes e polpas com frutos do Cerrado, como explica o morador da cidade e presidente da Associação Comunitária Viver e Servir – que está à frente da gestão da agroindústria -, com o processamento do baru, maracujá do mato, umbu, tamarindo e pequi.

baru

baru

A associação local, que existe desde 2008, funcionava em locais provisórios e trabalhava apenas com o fornecimento de hortaliças para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Barra de cereal

Outro produto que vem sendo produzido na agroindústria é a barrinha de cereal feita com o baru e o buriti. As polpas de frutas, que por enquanto são o carro-chefe da unidade, estão sendo compradas pelas escolas do município. Já as trufas de chocolate conquistaram o paladar da comunidade local, e não ficam paradas em estoque.

O projeto envolve 2.680 famílias na região Norte do estado. A Utramig é responsável pela capacitação dos moradores para atuação nas unidades produtivas, a Epamig pelas pesquisas envolvendo os frutos e pelo diagnóstico socioambiental, e o Idene pela implantação e manutenção das agroindústrias. “É um trabalho sustentável, que traz mais renda para estas comunidades e mantém nossas florestas e rios”, destaca.

A agroindústria de são Francisco já tem Alvará de Funcionamento Sanitário Municipal, e agora busca o Alvará Federal, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Além de São Francisco, outros nove municípios já receberam as unidades produtivas: Arinos, Bonfinópolis de Minas, Chapada Gaúcha, Januária, Jatobá, Lontra, Mirabela, Montes Claros e Riachinho. Brasília de Minas e Coração de Jesus serão os próximos a receber o projeto.

Hoje, as agroindústrias trabalham, no total, com 300 espécies do Cerrado. Cada unidade tem atividades que apresentam maior potencial local, de acordo com a vegetação presente. Em Mirabela, por exemplo, a unidade realiza o beneficiamento da macaúba, palmeira nativa do Cerrado, cujo óleo é utilizado na fabricação do biodiesel.

“Há seis meses começamos uma parceria com a Petrobras, que compra este óleo. São produzidos 30 mil litros por mês em Mirabela”, comemora Madeira.

Além do óleo, a unidade produtiva local produz, com o resíduo do coco da macaúba, uma ração com alto valor proteico para alimentação de pequenos animais, como galinhas caipiras e suínos, e também sabão em pó, em barra e o sabonete do coco macaúba.

Produto para exportação

Antes da instalação das unidades produtivas, é realizado um extenso trabalho de diagnóstico e bioprospecção das plantas medicinais e frutos do Cerrado. Em São Francisco, os estudos mostraram o potencial de venda da fava d’anta, árvore que possui a substância rutina, utilizada pela indústria farmacêutica para a produção de medicamentos que melhoram a circulação sanguínea.

“Ocorria o extrativismo da planta de forma inadequada, com degradação do Cerrado e sub valorização do fruto, do qual é retirado o extrato. Mudamos a forma de manejo e capacitamos os extrativistas, para que eles vissem que a extração de forma sustentável renderia muito mais frutos e retorno para a região”, defende o coordenador do projeto na Utramig, Fernando Madeira.

O quilo da fava d’anta, antes vendido a R$ 0,10, hoje vale R$ 1,38. A quantidade extraída, por sua vez, aumentou cerca de seis vezes, e a produção é toda vendida para três empresas, sendo uma nacional, uma alemã e outra francesa.

O projeto está transformando nossa realidade, tenho certeza que vai trazer uma mudança muito grande. Esse tipo de pesquisa também abre nossos olhos para valorizar o que temos aqui, sem contar a quantidade de atividades novas que temos. Trabalho tem para o ano todo.

Baseado na reportagem da

http://www.agenciaminas.mg.gov.br/

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Latest

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu do Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: