Etnocídio no cerrado

As conseqüências de retirar a pessoa do seu habitat original sob o pretexto do desenvolvimento para a produção de commoditie no cerrado (escancaradamente na região da  fronteira agrícola, chamada de MATOPIBA, cerrado brasileiro). A expressão MATOPIBA resulta de um acrônimo criado com as iniciais dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Essa expressão designa uma realidade geográfica que recobre o cerrado dos quatro estados mencionados, caracterizada pela expansão de uma fronteira agrícola.

quebradeiras de coco 2

Quebradeiras de cocô – Maranhão

Com a brutal consequência de expulsar os povos tradicionais de seus territórios, há uma ruptura brutal da sua cultura. Isso é ou não é ETNOCÍDIO?

È importante compreender uma das mais cruéis conseqüências do modelo de desenvolvimento adotado para o Brasil: a perda da identidade cultural de grande parte da população, especialmente, neste momento ocorrendo intensamente com os povos tradicionais do cerrado (cerratenses).

Ao migrar dos seus territórios para os aglomerados urbanos, além de todos os problemas que acarretam com a concentração urbana, os grandes contingentes populacionais ainda perdem sua identidade cultural, sua memória. Sem essa identidade cultural, é como se cada pessoa vivesse isolada num mar enorme, cercada de gente igualmente solitária por todos os lados. matopiba-cerrado-750x410Sem identidade cultural, importa muito pouco saber que o patrimônio da coletividade, seja ambiental, seja arquitetônico, histórico, cultural, a própria rua, a praça, está sendo ameaçado ou destruído. À medida que essa gente não se sente dona desses espaços coletivos – que são considerados como  terra  de  ninguém  ou  como  pertencentes  aos  governos  dos  quais  não gostam – também não se mobilizam em sua defesa. Assim, não há nenhuma sensação de perda diante de uma vegetação nativa que deixa de existir ou de um lago ou vereda desconstituída, pois a população, em sua maior parte, por não ter identidade cultural com o lugar em que vive também não se sente parte dele. Esse fenômeno acontece, frequentemente e intensamente, principalmente nas periferias das grandes cidades brasileiras, locais comumente utilizados de migração dos povos tradicionais. Existe uma grande população, mas não um grande povo. Essa alienação tem sido muito conveniente para as classes no poder, que aprenderam ainda a dominar com muita competência os meios de comunicação, principalmente a televisão, para substituir rapidamente os valores culturais tradicionais por outros mais convenientes a seus interesses, ao mesmo tempo em que desestimulam e depreciam os valores nativos.

 

Trecho do livro Cerradania:  Alumeia e óia pros encantamentos dos cerratenses

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Latest

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu do Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: