Matopiba: realidade etnocídio e genocídio

The latest report from the Pastoral Land Commission shows that in 2016 alone there were 61 murders in the countryside, an average of five per month.                    Conflicts reached 1,295, the highest number since 1985.                                                        In Matopiba, land conflicts increased by 300%, with the Cerrado being the site of 24.1% of conflicts in the country, with 14.9% of the rural population in Brazil. 2016 also recorded 12,829 families evicted and 2,639 families evicted.

Para conhecer a realidade é preciso vê-la de perto, longe da frieza dos números, do conforto dos escritórios, além da velocidade exponencial das timelines das redes sociais. Para conhecer a realidade é preciso sentir a temperatura, ver as variações da paisagem, conversar olho no olho com os moradores locais. Para saber como a produção de soja e outras commodities afeta realmente a vida das pessoas, a dinâmica das cidades, a preservação dos biomas, é preciso sentir a realidade na pele.

dsc_0132_1_83885

Raimunda Pereira dos Santos, agricultora de uma comunidade tradicional que vive há décadas em Barra do Ouro (TO) é símbolo de resistência para toda a região: sua casa e sua plantação foram destruídas, seus animais sequestrados e Raimunda foi diversas vezes ameaçada de morte por se negar a vender sua terra para o produtor que acabou por cercar mais de 17 mil hectares entre lotes comprados e área grilada, produzindo soja no meio de uma disputa desigual que já se arrasta desde 1994.

É justamente esse o objetivo do CFA Reality Tours que, na última semana de outubro, levou seis representantes de empresas, bancos e organizações do terceiro setor para visitar cidades no norte do Tocantins e sul do Maranhão, na fronteira agrícola do Matopiba, um dos principais centros de produção de soja e de conflitos fundiários do Brasil atual, onde o Cerrado começa a se confundir com a Amazônia. Lá, os representantes da BRF, Rabobank, Caixa Econômica Federal, Field to Market e The Forest Trust puderam conversar com grandes e médios produtores de abordagens diferentes sobre a sua atuação e entender melhor como os conflitos gerados pela expansão do plantio da soja atingem diretamente agricultores de comunidades tradicionais que estão há gerações na região.

Para Lucas Paschoal, supervisor de commodities da BRF, conhecer a situação dos agricultores familiares foi um choque de realidade muito grande. Inclusive para contrapor uma narrativa recorrente que costuma enxergar apenas o ponto positivo da expansão agropecuária. “É importante trazer o setor privado para esse tipo de experiência para que as grandes empresas possam voltar o olhar para essa situação, enxergando a relação entre a produção de grãos e as comunidades que vivem lá, buscando um ponto de equilíbrio”, afirma.

A situação de Raimunda Pereira dos Santos, agricultora de uma comunidade tradicional que vive há décadas em Barra do Ouro (TO) é símbolo de resistência para toda a região: sua casa e sua plantação foram destruídas, seus animais sequestrados e Raimunda foi diversas vezes ameaçada de morte por se negar a vender sua terra para o produtor que acabou por cercar mais de 17 mil hectares entre lotes comprados e área grilada, produzindo soja no meio de uma disputa desigual que já se arrasta desde 1994.  “Eu não vendo porque aqui é a minha terra, onde minha família vive desde os anos 50. O que nós queremos apenas é paz para ter nossa plantação e seguir a nossa vida”, diz Raimunda, que criou 12 filhos na comunidade e hoje mora em uma casa de terra batida e teto de palha, ao lado da casa original que foi derrubada pelo grileiro que saiu de Santa Catarina para o Tocantins.

O último relatório da Comissão Pastoral da Terra, entidade que há décadas luta pela população do campo e tenta mediar conflitos mostra que, somente em 2016, ocorreram 61 assassinatos no campo, uma média de cinco por mês. Somados, os conflitos atingiram 1.295, o maior número desde 1985.  No Matopiba, os conflitos por terra aumentaram 300%, com o Cerrado sendo o local de 24,1% dos conflitos no país, mesmo tendo 14,9% da população rural do Brasil. 2016 também registrou 12.829 famílias despejadas e 2.639 famílias expulsas.

É este tipo de situação que atingiu em cheio Rodney Snyder, diretor executivo da Field to Market, associação americana com dezenas de membros que trabalha por uma cadeia sustentável de commodities. “Aprendi muito com essa experiência. Ver os desafios que o Cerrado enfrenta, tanto social quanto ambiental, foi fundamental. É responsabilidade de todo o mercado buscar soluções para resolver este problema”, diz. É isto o que espera Pedro Ribeiro, agente da CPT em Araguaína (TO). “Espero que essas pessoas, conhecendo a realidade, possam se sensibilizar e cobrar dos responsáveis maneiras de evitar ou amenizar o dano que é causado”, diz Ribeiro.

O reality tour tenta conscientizar os stakeholders e mostrar que dá para aumentar a produtividade sem desmatar. “O desmatamento zero no Cerrado é uma realidade possível e necessária. Nossa ideia é justamente tentar amenizar os problemas sociais decorrentes dessa expansão”, acredita Gabriela Russo, pesquisadora do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM).

Cerrado em xeque, mercado em alerta
Nesta cadeia, os financiadores ocupam papel central. Para Bianca Larussa, analista de responsabilidade socioambiental do Rabobank, banco holandês que trabalha diretamente com crédito agrícola, foi chocante ver pessoas que vivem sem saneamento básico, energia elétrica e água potável – o ambiente natural que fornecia esse recurso foi destruído ou contaminado. “Eu mudei muito minha concepção sobre um grande produtor e um pequeno. E ir em um assentamento, algo que nunca tinha feito, com certeza foi uma coisa que mexeu comigo emocionalmente e eu vou levar para o pessoal do banco, que precisa saber dessa realidade”, diz Larussa.

O engenheiro agrônomo da Caixa Econômica Federal, Rafael Brugger, faz coro. “Nós ficamos muito distantes da realidade do campo, o que é grave já que nas cidades é que as decisões são tomadas. Fazer essa imersão nos problemas das pessoas que vivem aqui realmente faz pensar diferente. Talvez eu nunca tivesse essa oportunidade de ver problemas sociais tão intensos e comuns, até banalizados pela sociedade. A oportunidade foi excelente para poder conscientizar os tomadores de decisão”, afirma Brugger.

Em Carolina (MA), os participantes do reality tour puderam conhecer o complexo ecológico de Pedra Caída, especialmente a cachoeira Santuário, uma queda de 47 metros cercada por rochas do Cerrado maranhense, que mostra o que está em risco com o acelerado desmatamento do bioma, que perde sua vegetação nativa cerca de cinco vezes mais rápido que a Amazônia. Para Rachel Backer, da ONG The Forest Truth, a hora é agora para que ações sejam tomadas. “O governo, as empresas e as ONG’s precisam tomar atitudes decisivas para que esta belíssima parte da América do Sul não seja completamente destruída pela soja e pecuária. Precisamos encontrar caminhos para equilibrar a produção econômica com as necessidades das pessoas que vivem aqui”, acredita Backer. A analista de sustentabilidade da BRF, Gabriele Cândido, reconhece: sair de São Paulo fez toda a diferença. “Estar aqui abriu muito minha cabeça para buscar formas de melhorar nosso trabalho. Saio renovada e com mais vontade de contribuir para evitar o desmatamento no Cerrado”, afirma.

No último dia 25 de outubro, empresas líderes no mercado internacional lançaram uma carta reconhecendo a importância do Cerrado por seu papel na mitigação da mudança climática e apoiaram o Manifesto do Cerrado, documento em que organizações ambientalistas pedem que as empresas que compram soja e carne do Cerrado defendam o bioma. Entre 2013 e 2015 o Brasil destruiu 18.962 km² de Cerrado, uma perda equivalente à área da cidade de São Paulo a cada dois meses. Esse ritmo de destruição coloca o Cerrado entre os ecossistemas mais ameaçados do planeta.

Por Maurício Angelo do IPAM

https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/cerrado/noticias/?61722/Na-fronteira-do-Cerrado-com-a-Amaznia-a-realidade-dos-impactos-da-soja

Anúncios

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Conservation news & stories

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu Virtual de Ciência e Tecnologia - Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Maravilhas do Cerrado

"O uso da fotografia e cultura digital para fomento da educação ambiental"

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: