O cerrado tem jaracatiá

Planta originária do Brasil, o jaracatiá, mamãozinho ou, mamão bravo é batizado como Jaracatia spinosa, embora a árvore que encontrei não apresentasse espinhos. Pimentel Gomes, no livro Fruticultura Brasileira registra como Jaracatia dodecaphylla DC; e tem também o Carica quercifolia A. St.Hil. que virou Carica Vasconcella quercifolia. Pode ser encontrado em diversas formações florestais, de norte a sul, mas hoje é considerado um fruto em extinção.

jaracatia

Jaracatia spinosa

Pode atingir 20 m na floresta, quando cultivada não ultrapassa ao 7 m de altura, tem copa rala e cônica. O tronco reto e cônico, com diâmetro de 50 cm a 90 cm e a casca é cinza esbranquiçado com acúleos ou espinhos pontiagudos.  O fruto é uma baga periforme (com forma de pêra alongada) com 10 cm de comprimento por4 cm a 6 cm de diâmetro, pesando de 8 a 30 gramas, com casca fina e amarelada ou alaranjada quando bem madura, com pericarpo (parede que envolve a semente) cremoso, denso e com suco leitoso, envolvendo muitas sementes marrons e pequenas.

Crescimento rápido, atingindo 2 metros de altura no primeiro ano de plantio no campo. A planta aprecia terrenos porosos e ricos em matéria orgânica, com pH entre 5,0 a 6,5, reage bem com boas regas no primeiro ano de plantio, resistindo bem a secas.

Começa a frutificar a partir do 3 ou 4 anos de plantio em terrenos férteis. Recomendado plantar pelo menos 3 arvores para que ocorra polinização cruzada e uma boa produção dos frutos que varia entre 100 a 800 frutos por planta.

Cultivar em pleno sol abrindo covas de 50 cm de altura, largura e profundidade num espaçamento de 5 x 5 m ou 6 x 6 m entre plantas. Misturar com os 30 cm de terra iniciais do solo 4 ou 5 pás de esterco bem curtido, + 500 gramas de calcário e 1 kg de cinza de madeira, deixando curtir por 2 meses.

A melhor época do plantio é de outubro a novembro e após o plantio.

Os frutos amadurecem de janeiro a março. Os frutos têm polpa amarelo alaranjada, lembram o sabor do maracujá e da manga, contem látex que queima caustico que queima a língua e os lábios de algumas pessoas sensíveis. Por isso colha os frutos totalmente amarelos e deixe-os chegar por 1 semana, assim o efeito caustico acaba. Outra forma deliciosa de comer os frutos é assar na brasa como os índios faziam. Também podem ser usados para fabricar sucos e doces. O tronco é usado para fazer um doce semelhante a cocada, e por isso a arvore está ficando mais rara pois as pessoas sacrificam a arvore para fazer o doce e nunca plantam nada.

Foram os índios os primeiros a serem seduzidos pelos frutos perfumados do jaracatiá. De cor de laranja vivo, formato alongado e do tamanho da palma da mão, esses “primos” do mamão podiam ser consumidos in natura mas, preferencialmente, eram comidos assados, moqueados. Parta um jaracatiá para entender a lógica: há uma seiva que brota, um tipo de látex, uma enzima chamada papaína, que “queima” a boca e irrita o estômago dos mais afoitos. (Um parêntese: essa substância esbranquiçada é ouro: muito usada na indústria alimentícia – como amaciante de carnes – e também na farmacêutica). Ao assá-los, o calor da brasa “cortava” a seiva, tornando o fruto mais agradável ao paladar.

Atenção: para fazer o doce, é preciso aplicar manejo correto da planta. A derrubada excessiva da planta, aliás, pode ter sido a causa para as quedas na oferta de caule e, assim, também, na produção dos doces, que hoje são pouco conhecidos. Atualmente, as doceiras costumam usar o interior de galhos mais grossos podados da planta, daí a árvore continua de pé. Ainda assim, a fabricação com esta matéria prima não é mais recomendada. 

A polpa bem alaranjada é cremosa, bem doce, enquanto as sementes (muitas e não poucas, como disse no outro post) são crocantes quase como as de maracujá, doces e cobertas por uma gominha viscosa como a do quiabo. Tudo isto na boca forma uma geléia texturizada de sabor maravilhoso que lembra uma combinação de frutos tropicais – goiaba, feijoa, araçá, maracujá. É muito perfumado e com sabor marcante, bem diferente do fruto na compota ou no sorvete, que perde grande parte destas características.

O fato é que o fruto tem um potencial gastronômico enorme.
Reportagem de

http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/index?mode=sv&group=Root_.Angiospermas_&family=Root_.Angiospermas_.Caricaceae

 

Anúncios

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Conservation news & stories

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu Virtual de Ciência e Tecnologia - Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Maravilhas do Cerrado

"O uso da fotografia e cultura digital para fomento da educação ambiental"

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: