Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama) vai debater ações concretas que possam evitar a crise hídrica.

O Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama) vai debater ações concretas que possam evitar a crise hídrica e democratizar tecnologias de consumo e aproveitamento consciente.

agua direitoThe World Alternative Water Forum (FAMA) will discuss concrete actions that can avoid the water crisis and democratize consumer technologies and conscious use.

Regardless of the economic standard, color, age or sexuality, water is a necessary and common good for all human beings. With the scarcity of resources, the government is not alone in mobilizing to tackle the problem and debate it.

The topic is also a theme in civil society at the World Alternative Water Forum, March 17-22, 2018 at the University of Brasilia (UnB) and Pavilion of the Free City Park. Registration and programming: http://www.fama2018.org

Independentemente do padrão econômico, cor, idade ou sexualidade, a água é um bem necessário e comum a todos seres humanos. Com a escassez do recurso, o governo não é o único a se mobilizar para enfrentar o problema e debatê-lo. O tema também é pauta na sociedade civil, que, além de diminuir o consumo —  dados da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) divulgados nesta semana mostram que, no último ano, o consumo por pessoa caiu em 12,2% —, criou o próprio evento, a nível mundial, para reivindicar o lugar do povo na discussão sobre o uso da água.

Em paralelo ao Fórum Mundial da Água, evento global que ocorre há cada três anos desde 1997, a sociedade civil prepara o Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama), que tem como objetivo se opor ao governo e às grandes corporações, trazendo o debate sobre o uso de recursos hídricos para a mão da população. Na próxima semana, os dois eventos chegam a Brasília, a primeira cidade do Hemisfério Sul a abrigar esses encontros.

O Fama apoia iniciativas que tragam um consumo consciente e um melhor aproveitamento dos recursos hídricos. É isso que o advogado Flávio Santos, 38 anos, fez na residência onde mora, no Lago Norte. No começo do racionamento de água, ele contratou a engenheira civil Ellen Carvalho, que desenvolveu um projeto de aproveitamento de água pluvial. A calha de uma estrutura de 29 metros quadrados leva a água da chuva para reservatórios espalhados pelo lote. São 10 caixas d’água que, juntas, armazenam mais de 23 mil litros, que, antes, escorriam pelos bueiros e não eram utilizados para consumo.

O investimento na obra foi de R$ 6 mil, mas o retorno veio em cerca de um ano. “Três pessoas moram aqui, mas temos um jardim grande, que consome muita água. Antes do projeto, a nossa conta era de cerca de R$ 600 por mês, agora, fica na casa dos R$ 80”, afirma Flávio. A engenheira Ellen observa que a água da chuva captada não é indicada para consumo ou banho. “No projeto, existe apenas um filtro que impede que galhos ou impurezas sigam para os reservatórios, mas o recurso não é tratado; por isso, deve ser utilizado para atividades como regar jardins e lavar áreas externas, por exemplo”, ressalta.

O sistema tem um formato simples, não conta com bomba, e a água corre de uma caixa para a outra por todas serem posicionadas na mesma altura. “Como o Flávio e a família queriam ter água para o jardim mesmo no período de seca, eles investiram em um reservatório grande. Mas o tamanho vem do tanto que o morador está disposto a investir”, garante Ellen.

Mobilização popular

Devido à crise hídrica, o interesse popular pelo uso da água aumentou, segundo a engenheira. “Passamos muito tempo no conforto das nossas casas, só esperando a água chegar à torneira, sem saber de onde ela vem e até quando estará disponível. Hoje, vejo que a crise criou uma abertura nos brasilienses para falar sobre recursos hídricos, adquirindo conhecimentos e reconhecendo seus direitos como cidadãos”, garante.

A opinião também é compartilhada por Bruno Pilon, um dos membros da coordenação do Fama. “É muito mais fácil falar sobre um problema quando você o entende e o vivencia. Brasília está cheia de gente sofrendo com a falta de água, e quer saber e entender sobre o assunto”, afirma.

Bruno conta que o Fama nasceu como contraponto a uma visão mercadológica do fórum oficial. “Aparecemos, de fato, como a voz da população”, conta. Para o especialista, o racionamento de água no DF exemplificou essa questão. “Quem tinha condições, comprava mais caixas d’água, e o mais pobre era quem realmente acabava racionando”, alerta Bruno.

Os debates do Fama ocorrerão em diversos pontos do DF, como a Universidade de Brasília e o Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade. Estão marcados debates em relação à espiritualidade em torno da água, alternativas para resolver problemas de escassez, agricultura, gênero e questões étnicas. “O nosso objetivo com o Fama é não ser um ponto final de debate, mas, sim, o início de uma mobilização em defesa da água. No Brasil, somos muito abençoados geograficamente, temos bastante água. Mas somos castigados socialmente por problemas políticos, agrários e urbanísticos que fazem com que o recurso não esteja disponível a todos. Queremos mudar isso”, afirma.

Fórum Alternativo Mundial da Água. Quando: 17 a 22 de março de 2018 . Onde: Universidade de Brasília (UnB) e Pavilhão do Parque da Cidade Gratuito. 

Inscrições e programação: www.fama2018.org

baseado na reportagem http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/03/11

About cerradania

Operário das letras, Comunicador e Idealizador da Cerradania, Palestrante,Professor. Letterman, Communicator and Idealizer of Cerradania, Speakers,Teacher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Central do Cerrado – Produtos Ecossociais

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede MAIS Vida no Cerrado

O berço das águas corre perigo

biomas do cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

WWF - Latest

Citizenship actions in the Cerrado biome

ISPN

Citizenship actions in the Cerrado biome

Cerratinga

Citizenship actions in the Cerrado biome

Rede Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Citizenship actions in the Cerrado biome

Museu do Cerrado

Citizenship actions in the Cerrado biome

Day by Day the Farm Girl Way...

Simple life on a little piece of land.

Cerradania

Citizenship actions in the Cerrado biome

Jim Caffrey Images Photo Blog

photography from the ground up

%d blogueiros gostam disto: